S. Nicolau

Não podemos dizer que São Nicolau seja, hoje, pelo menos entre nós, um Santo dos mais cultuados. Todavia, assim não aconteceu durante a Idade Média, altura em que foi um dos Santos que receberam mais veneração na Igreja, sobretudo no norte da Europa, e em países de grandes dimensões, como a Rússia, de que ele era protector. Aliás, o culto de São Nicolau ainda hoje se mantém, sob a figura do Santa Claus (Sanctus Nicolaus), e ligado basilarmente à Festa do Natal.

Não podemos dizer que São Nicolau seja, hoje, pelo menos entre nós, um Santo dos mais cultuados. Todavia, assim não aconteceu durante a Idade Média, altura em que foi um dos Santos que receberam mais veneração na Igreja, sobretudo no norte da Europa, e em países de grandes dimensões, como a Rússia, de que ele era protector. Aliás, o culto de São Nicolau ainda hoje se mantém, sob a figura do Santa Claus (Sanctus Nicolaus), e ligado basilarmente à Festa do Natal. Nascido em Pátara, na Lida, pelo ano de 270, ficou muito novo herdeiro de avultados bens, por lhe terem morrido os pais, vítimas de uma epidemia. Foi monge, abade e depois arcebispo de Mira (na Turquia) e tem o seu dia reservado  segundo o Flocus Santorum, a 6 de Dezembro de cada ano. O seu culto remonta ao séc. VI. Pela sua popularidade, tornou-se protector dos famintos (por ter feito multiplicar o pão em tempo de fome, distribuindo-o pelos pobres), das raparigas pobres (pelo dote instituído para três delas, que lhes fez chegar em segredo por uma janela, permitindo desse modo que se pudessem casar), dos perseguidos (por ter sido ele mesmo perseguido pelo imperador romano Diocleciano), contra as heresias (pela sua participação no Concílio de Niceia (atual İznik na Turquia), o primeiro Concílio da cristandade, presidido por Constantino, e por ter combatido o arianismo, doutrina que punha em causa a divindade de Cristo), dos comerciantes (pelas suas três bolsas de ouro e porque pelo ano de 1087 como a cidade de Mira estivesse em poder dos Turcos, uns mercadores de Bari retiraram de lá as suas relíquias e as trouxeram-nas para a sua cidade, onde construíram, para as guardar. uma igreja magnífica), dos marinheiros e navegantes (essa viagem salvadora foi feita por mar), das crianças (pela devoção para com o Santa Claus e a sua ligação ao Natal), e ainda dos presos, dos infelizes, dos abandonados pela sorte (pelos milagres que lhe são atribuídos), e indicado para debelar casos específicos de doença (cólera, tifo, gota, mal do peito, brônquios..).

Para além disto, e a nós é o que mais nos interessa, São Nicolau é o glorioso Patrono dos Estudantes, em homenagem a ter ressuscitado três estudantes que haviam sido esquartejados por um estalajadeiro e pelo saber manifestado contra os inimigos da fé.
Enraizando-se e espalhando-se por todo o ocidente, o culto de São Nicolau entrou em Portugal, e a sua celebração teve lugar sobretudo no centro e norte do país, tendo em Guimarães adquirido fixação especial.

 Texto de Lino Moreira da Silva (adaptado)

A Alma e a Graça das Festas Nicolinas

Edição
AAELG/Velhos Nicolinos



desenvolvimento 1000 Empresas