Festas Nicolinas

BREVE HISTÓRIA DAS FESTAS NICOLINAS

As festas a S. Nicolau têm origens para trás do século XVI. 
Na Idade Média europeia, S. Nicolau, Bispo de Myra, era objecto de grande culto, com celebrações de que têm sido salientadas as afinidades às velhas saturnais romanas.
Na Europa, S. Nicolau era celebrado pelos estudantes e meninos do coro das escolas das catedrais, em festividades muito populares, quase sempre marcadas por folias e desmandos que, pela sua natureza, não raro eram objecto de proibições decretadas pela hierarquia da Igreja
Os estatutos da Irmandade de São Nicolau datam de 1691 publicados num “compromisso”.
O culto organizado é, porém, anterior.
A construção da Capela de São Nicolau foi contratada entre os Mordomos da Irmandade e o Mestre de Pedraria Domingos Lourenço. O contrato (ou obrigação) está datado de 21 de Novembro de 1661. A pedra fundamental da capela refere o ano de 1662

Há referências indirectas sobre o costume dos Estudantes e Coreiros, desde o séc. XVIII, irem recolher o dízimo a uma Quinta de Urgezes no âmbito do foro da Colegiada, reclamando, por isso, a “renda” em géneros: tremoços, nozes, castanhas e maçãs. A sua recolha no dia 6 de Dezembro, completada com a do mato nos Oleiros da Cruz-de-Pedra, constitui a origem das Posses, a que se junta a distribuição, pela população, das maçãs (origem das Maçazinhas) e das castanhas, tremoço e vinho (origem do magusto), tudo isto desaguando no rossio do Toural, acompanhado de danças e representações. 
Sabe-se, por outro lado, que, a exemplo de outras festas populares, o anúncio era feito a 29 de Dezembro com o erguer do Pinheiro, que servia de mastro à bandeira/retábulo da Academia. Embora a primeira notícia da imprensa date de 1842 é dito que “era conforme o costume”, pressupondo a sua antiguidade. Há, ainda, uma outra referência, de 1822, dando notícia de que os estudantes tinham “erguido a sua bandeira no Toural”, excepcionalmente, no dia 18 de Dezembro.
Também sabemos que o Pregão datará, muito provavelmente, do séc. XVIII, sendo que o primeiro exemplar conhecido é de 1817, e que se realizava quase sempre a 5 de Dezembro, sendo declamado, entre outros locais, no Toural.
Os números das festas não cabiam todos a 6 de Dezembro e foram-se espalhando pela semana de 29 de Novembro a 6 de Dezembro a partir de fins do séc. XIX. 
O núcleo fundador das Nicolinas relaciona-se com os festejos do santo com representações, Danças e comédias, acrescidas da recolha e distribuição da renda (posses). A isto de juntou o anúncio das festas pela erecção do Pinheiro e a sua apresentação e exaltação com o Pregão. Parece ser este o movimento histórico das nossas Festas, desde o início intimamente ligado ao rossio do Toural.


Texto
M.Bastos
Fev. 2012


A.L. de Carvalho (imagem daqui)
Alberto Cardoso de Menezes (Margaride)
Eduardo d'Almeida
Fernando Afonso de Bourbon (Lindoso)
Jerónimo Sampaio
João de Meira 
João Lopes Faria 
José Luís de Pina 
Luís Martins da Costa (Aldão)
"...todos com influência decisiva na existência atual das Nicolinas."
Hélder Rocha
Livro das Danças de S.Nicolau de 1988
Roteiro das Festas Nicolinas

desenvolvimento 1000 Empresas